domingo, 14 de agosto de 2016

09 Considerações Sobre o Show d'A Banda Mais Bonita da Cidade em Porto Alegre

Na última quinta-feira (11/08), o cast do Picanha teve a oportunidade de prestigiar a apresentação de lançamento do DVD Ao Vivo no Cine Joia d'A Banda Mais Bonita da Cidade, no Teatro São Pedro, em Porto Alegre. Nem precisamos dizer o quão especial foi esse momento, com o público sempre fiel cantando junto cada uma das 14 canções executadas durante o show. Na tentativa de resumir o que foi a noite, elaboramos um a listinha com 09 Considerações Sobre a Apresentação dos curitibanos.

01) A abertura com Uma Atriz não poderia ser mais impactante. Inspiradíssima, a vocalista Uyara Torrente interpretou a canção com a paixão de sempre, equilibrando bem o gestual e as expressões, em uma das canções mais "performáticas" do grupo. O apoio da banda, com arranjos robustos e execução técnica perfeita - cortesia de Vinicius Nisi (teclado), Marano (baixo), Thiago Ramalho (guitarra) e nosso brother Luís Bourscheidt (bateria) -,contribuíram para que o início do show já se consistisse em um dos melhores momentos da noite.

02) A propósito da Uyara, ela estava maravilhosa como sempre. Linda, carismática, talentosa, ela parecia - assim como toda a banda - estar se divertindo com cada instante da apresentação. Não era difícil percebê-la "rindo à toa" - aquela risada gostosa de quem está curtindo MUITO - conforme as canções iam sendo executadas. Algo que deixou o espetáculo ainda mais bacana. E tudo isso sem perder um fio sequer do profissionalismo de sempre.

03) O fato de o teatro estar lotado também foi um dos motivos de clara alegria para o quinteto - e para todos, na real. O público retribuiu, como de praxe: enviando emanações positivas, cantando junto, assoviando, gritando e aplaudindo cada instante ou acontecimento.



04) A participação do gaúcho Ian Ramil em duas canções compostas por ele, que devem estar no próximo trabalho dos curitibanos, também foi um dos momentos marcantes da noite. Em uma delas, a ótima Souvenir, Ramil dividiu os vocais com Uyara, em uma das partes mais divertidas da noite. A outra música, chamada Ela e O Dela, contou com o acréscimo do guitarrista Lorenzo Flach - figura conhecidíssima da cena roqueira de Porto, o que conferiu um peso a mais para a sua execução. Ambas as canções serviram para mostrar que, daqui para frente, talvez o grupo invista em outras vertentes, eventualmente mais psicodélicas e com algum peso - mas muito provavelmente sem perder a ternura. E nós já aqui, no aguardo.

05) Para quem nunca tinha visto a banda ao vivo, impressionou os novos arranjos feitos para canções conhecidíssimas, como a Balada da Bailarina Torta. As guitarras cheias de fuzz - também com a presença de Flach -, a bateria cadenciada, o baixão certeiro e os teclados climáticos, somados a um soberbo jogo de luzes sobre o palco - davam a impressão, em alguns momentos - e sem exagero - de estarmos diante de alguma exibição do Sonic Youth ou alguma outra daquelas que esteve por aqui, nas épocas em que ainda havia o Free Jazz Festival.

06) Coisa mais simpática o palquinho. Momento em que a banda se aproxima do público e toca duas canções no formato "rodinha de violão", bem próximos do público. Energia desse momento foi palpável, ainda mais para nós, que estávamos na terceira fila.

07) No repertório muitas das músicas favoritas: Solitária, Se Eu Corro (grande como sempre), Deixa Eu Dormir Na Sua Casa (com arranjo "fantasmagórico" delicioso), A Balada da Contramão, Oração (que fechou a noite, com todo o povo de pé, cantando junto). Mas não posso deixar de registrar o quanto fez falta Boa Pessoa. Muito provável que seria bonito DEMAIS ver todo o povo cantando junto essa. Esse é o problema do repertório com tanta música massa.

08) Particularmente, poder reencontrar o amigo Luís Bourscheidt - que equilibrou vigor e ternura na mesma medida, em seu trabalho como baterista - foi muito legal. O Luís (ou Geleia como é conhecido pelos das antigas) é de Lajeado e sempre acho uma pena o fato de a cidade ignorar completamente a presença do grupo em terra gaúchas. Vamos combinar que tá caindo de maduro uma exibição por aqui. Poder rever os "tios" Silvestre e Natália e o brother Lucas, toda da famiglia, foi algo que tornou a noite ainda melhor.

09) No mais, só nos resta agradecer por tudo. Foi uma noite muito tri! Voltem, assim que puderem.

Um comentário:

  1. De fato foi DEZ! Uma noite mágica e inesquecível. Parabéns!

    ResponderExcluir