segunda-feira, 2 de abril de 2018

Grandes Cenas do Cinema - Dúvida (Doubt)

Filme: Dúvida
Cena: Meryl Streep revela ter dúvidas

[SPOILER ALERT: se você não viu o filme e não quer ter alguma surpresa desagradável, melhor ler o texto depois de assistir]

O que faz determinada sequência se tornar clássica, no cinema? O contexto em que a cena está inserida? Os atores envolvidos? O seu potencial icônico? Será que quando Alfred Hitchcock concebeu a cena do chuveiro, em Psicose, sabia que ela seria lembrada anos mais tarde como uma das mais inesquecíveis do cinema? E o Steven Spielberg que fez um extraterrestre (e um bando de garotos) cruzarem a lua? Há sequências que estão na memória por frases proferidas pelas personagens - caso, por exemplo, de vou fazer uma oferta que ele não pode recusar, dita por Don Vito Corleone (Marlon Brando), em O Poderoso Chefão (1972). Ou, mais recentemente, eu vejo gente morta, dita por Haley Joel Osment em O Sexto Sentido (1999). Enfim, são muitas as sequências que estão para sempre nos corações dos cinéfilos e, este jornalista que vos escreve, acredita haver, no excepcional filme Dúvida (Doubt), de 2008, uma cena com este potencial.


Mais precisamente a sequência final em que a irmã Aloysius (Meryl Streep), devastada pelo sentimento de culpa, revela "ter dúvidas" sobre aquilo fez - e, para mim, o famoso i have doubts, dito em tom autocomiserativo à personagem de Amy Adams (irmã James), será sempre lembrado, mesmo daqui há 50 anos, como um dos mais inesquecíveis momentos da sétima arte (ou ao menos neste milênio). É uma sequência delicada, comovente e que humaniza pela primeira vez a personagem durona vivida por Streep - a rígida diretora da escola Saint Nicholas, localizada no Bronx. Conduzindo o educandário com mão de ferro e adotando uma postura conservadora e antiquada na hora de disciplinar os estudantes, irmã Aloysius tem dificuldade em lidar com o carismático padre Flynn (Philip Seymour Hoffman) que, recém chegado ao local, traz consigo uma forma de ensino mais progressista, que estimula os alunos sem os amedrontar. É o clássico conflito que coloca frente a frente a tradição e a modernidade, o obsoleto e o vanguardista.

Só que lá pelas tantas a irmã James acredita ter motivos suficientes para acreditar que possa estar havendo um caso de pedofilia na escola, envolvendo o padre Flynn e o primeiro aluno negro recebido no local, o excluído Donald Miller (Joseph Foster) - e vale destacar que a trama se passa em 1964, período de importantes transformações na sociedade. É aí que inicia a cruzada moral que colocará a irmã Aloysius contra o sacerdote - sendo que esta fará de tudo para tentar expulsá-lo do instituto. As dúvidas da personagem de Meryl? É que ela nunca teve uma prova verdadeira de que algo possa ter, de fato, ocorrido. E a dor por ter expulsado do educandário um sujeito tão querido por todos a consumirá. Em um filme tão cheio de grandes interpretações que resultaram em indicações ao Oscar para Streep, Hoffman, Adams e também para Viola Davis (que interpreta a mãe de Donald e fica apenas ONZE minutos em cena), com um desenho de produção tão rico e com um roteiro tão envolvente, a sequência final, aquela que motiva este quadro Grandes Cenas do Cinema, é a cereja do bolo!


Um comentário: